segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Como saber se o ciúme é normal ou doentio?





De modo geral, o ciúme é uma emoção comum. De tempos em tempos somos levados a experimentar esse sentimento no campo do que poderíamos chamar "normal". E por ser uma emoção comum, se torna difícil, em muitos casos, distinguir entre o normal e o patológico. Existem quatro tipos de ciumentos: o zeloso, o enciumado, o ciumento e o delirante, capaz de matar caso se sinta traído.

Em questões de ciúme, a linha divisória entre imaginação, fantasia, crença e certeza freqüentemente se torna vaga e imprecisa. No ciúme as dúvidas podem se transformar em idéias supervalorizadas ou francamente delirantes.

Depois das idéias de ciúme, o ciumento é compelido à verificação compulsória de suas dúvidas.  Verifica se a pessoa está onde e com quem disse que estaria, abre correspondências, ouve telefonemas, examina bolsos, bolsas, carteiras, recibos, roupas íntimas, segue o companheiro, contrata detetives particulares. Toda essa tentativa de aliviar sentimentos, além de reconhecidamente ridícula até pelo próprio ciumento, não ameniza o mal estar da dúvida.

Os ciumentos estão em constante busca de evidências e confissões que confirmem suas suspeitas mas, ainda que confirmada pelo companheiro, essa inquisição permanente traz mais dúvidas ainda ao invés de paz. Depois da capitulação, a confissão do companheiro nunca é suficientemente detalhada ou fidedigna e tudo volta à torturante inquisição anterior.

 Como saber se o ciúme é normal ou doentio? O ciúme normal e transitório é baseado em fatos. O maior desejo seria preservar o relacionamento. No ciúme patológico há geralmente o desejo inconsciente da ameaça de um rival. Para algumas pessoas o ciúme é visto como zelo, sinal de amor ou valorização do parceiro; para outros é uma prova de insegurança e baixa auto-estima. Em ambos os casos existe uma gama de sofrimento para ambos os lados envolvidos. 

 Quando se trata do ciúme patológico é necessária uma intervenção profissional, porque além do sofrimento imposto a ambas as partes, existem muitos casos de mortes e tragédias familiares que apresentam como pano de fundo esta enfermidade.

Quanto mais intenso e menos controlável, maior o problema. Quanto maior a intensidade desse sentimento, mais estaremos ultrapassando os limites da normalidade, para, aos poucos, podermos ser devorados por uma obsessão capaz de destruir qualquer relacionamento.

Fonte Psiqweb

3 comentários:

  1. Por experiência própria, ouve atrás das portas, insinua que ligações telefônicas por engano são para você, e por ai vai sem parar, é muito difícil a convivência.É um conforto ler suas postagens.Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Ciúme não é algo simples de ser controlado... gosto da visão psicanalítica desse sentimento, pois muitas vezes gostaríamos de controlá-lo, de não sentir e de não sofrer. A negação é a "tentativa" aparentemente menos nociva, mas não a mais eficaz. Admitir o que se sente não é fácil, ainda mais quando se trata de um assunto que envolve questões tão íntimas, que envolvem ego, confiança, valores, criação etc. O ideal é que a pessoa que vive isso hoje saiba que sentir ciúme é normal, o que não pode ocorrer é que a decorrência deixe a vida a dois cansativa, chata ou até mesmo insustentável. Se tira seu sossego procure ajuda psicológica! Um psicólogo pode te ajudar a administrar melhor seus sentimentos! ;)

    ResponderExcluir
  3. e quando o ciúme é baseado em fatos ? o que fazer?

    ResponderExcluir