sexta-feira, 8 de março de 2013

Antidepressivos sem terapia não têm efeito





Os médicos precisam reconsiderar a forma como estão prescrevendo antidepressivos.Os estudos mais recentes vêm mostrando que os antidepressivos restauram a capacidade de determinadas áreas do cérebro a fim de contornar rotas neurais cujo funcionamento não está normal.

Mas essa mudança no "hardware" do cérebro só trará benefícios se houver uma mudança no "software" - na mente do paciente - algo que não é suprido pelos antidepressivos, só podendo ser alcançado mediante a psicoterapia ou terapias de reabilitação.

O alerta contundente está sendo feito pelo renomado neurocientista Eero Castrén, da Universidade de Helsinque (Finlândia).Trata-se de uma posição surpreendentemente franca, principalmente vinda de um neurocientista respeitado mundialmente.

Afinal, milhões de pessoas em todo o mundo tomam antidepressivos seguindo receitas de seus médicos, e as empresas farmacêuticas têm faturado bilhões de dólares vendendo essas drogas.Será então que um sistema tão amplamente aceito poderia estar totalmente errado?É exatamente isso que mostram estudos recentes na área.

Pesquisas em modelos animais demonstram que os antidepressivos não são uma cura por si sós.Em vez disso, o seu papel é o de restaurar a plasticidade no cérebro adulto.
Os antidepressivos reabrem uma janela da plasticidade cerebral, que permite a formação e a adaptação de conexões cerebrais através de atividades específicas e observações do próprio paciente, de forma semelhante a uma criança cujo cérebro se desenvolve em resposta a estímulos ambientais.

Quando a plasticidade cerebral é reaberta, problemas causados por "falsas conexões" no cérebro podem ser tratadas - por exemplo, fobias, ansiedade, depressão etc.A equipe do Dr. Castrén mostrou que os antidepressivos sozinhos não surtem efeitos para esses problemas, enquanto a psicoterapia sozinha obtém resultados de curta duração. Quando antidepressivos e psicoterapia são combinados, por outro lado, obtém-se resultados de longa duração.

"Simplesmente tomar antidepressivos não é o bastante. Nós precisamos também mostrar ao cérebro quais são as conexões desejadas," disse o pesquisador.
A necessidade de terapia e tratamento medicamentoso também pode explicar porque os antidepressivos às vezes não têm efeito. Se o ambiente e a situação do paciente permanecerem inalterados, a droga não tem capacidade para induzir mudanças no cérebro, e o paciente não se sente melhor.

O estudo de Castrén chamou a atenção das autoridades de saúde europeias, que lhe derem um financiamento de €2,5 milhões para detalhar suas descobertas.

Fonte Mente e Cérebro
http://diariodasaude.com.br/news.php?article=antidepressivos-sem-terapia-nao-tem-efeito&id=8605

9 comentários:

  1. O q fazer qdo a pessoa se recusa a receber qualquer tipo de tratamento, seja medicamentoso quando a ajuda de uma terapia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente não há muita coisa a fazer. Ninguém pode tirar alguém de um lugar de onde não quer sair.A grande maioria das pessoas que mais precisam de tratamento- seja psicoterápico ou medicamentoso- são as que resistem em aceitar que precisam. Por isso, reconhecer que precisa de ajuda é um grande passo na direção da cura.Abraço

      Excluir
    2. As vezes mentir que é um amigo que irá visita-la em casa... O psicólogo pode ir na residência, entrar nessa mentirinha e ir abrindo caminho aos poucos. Uma saída cara e mais ofensiva, mas dependendo da situação é a mais indicada.

      Excluir
  2. Bastante elucidativo,uma realidade desconhecida por quem pretende encontrar cura pelos Psicotrópicos...estes resultam com terapia,muitas veses não existe..!!!.


    Meus cumprimentos,obrigado,pela forma importante do conhecimento...

    ResponderExcluir
  3. Obgda Aglair Grein pela partilha e seus esclarecimentos!!

    ResponderExcluir
  4. Aglair. essa parte (A necessidade de terapia e tratamento medicamentoso também pode explicar porque os antidepressivos às vezes não têm efeito. Se o ambiente e a situação do paciente permanecerem inalterados, a droga não tem capacidade para induzir mudanças no cérebro, e o paciente não se sente melhor.) é o que tem acontecido comigo. Estou fazendo terapia e tomando Exodo. Mas me sinto do mesmo jeito. O que fazer, alguma sujestão. grata

    ResponderExcluir
  5. minha esposa estava tomando litio mudou carmazepina mas acho que nao esta obitendo resultado nao continua bem chorando me falaram que um bisicologo ela melhorara que faco

    ResponderExcluir
  6. Na verdade acredito que fujo da psicoterapia para não ter que tomar decisões dolorosas, apesar da grande dor que sinto, que é tanto física quanto emocional. Mas os medicamentos que tomo, nem os medicamentos que tomo estão fazendo mais o efeito que faziam. Será que preciso de psicoterapia ou coragem?

    ResponderExcluir
  7. Tomo medicamento há dois anos, e neste espaço de tempo tive algumas recaídas, dobramos a dose da medicação e no mês passado mudamos o medicamento. O efeito não tá sendo o esperado. Fiz terapia uns três meses, mas não gostei e acabei abandonando e ficando só com a medicação. Seria necessário eu voltar o tratamento com a terapia? Obrigada

    ResponderExcluir