quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Violência psicológica é crime!




S.- Tenho 50 anos, casei aos 18 e tenho dois filhos adultos.Sofro de fibromialgia, sinto dores terriveis todo dia e o dia inteiro...Minha angustia vem desde que me casei, pois nunca tive o respeito do meu marido.Ele desfaz de mim , fala que tenho problemas mentais, xinga na frente dos filhos, de amigos, me ofende, humilha e ameaça de me deixar morar na rua quando digo que vou deixá-lo. Hoje em dia ele não me agride mais fisicamente...Paramos de ter vida sexual há anos, pois eu tenho verdadeiro nojo dele..Cansei de reclamar, brigar, não adianta nada, ele tem sempre uma palavra pronta para me intimidar. Não tenho profissão, nem estudo, e ele é que manda no dinheiro, me sinto presa numa armadilha.Tem dias que me pergunto se o resto da minha vida vai ser assim, mas não tenho forças para deixar o casamento, tenho medo de me arrepender, de perder meus filhos, de perecer sozinha.



Resposta:

Cara S. , hoje os tribunais já reconhecem a violência psicológica como motivo de penalização e punição para os agressores morais. Está no artigo 7 da Lei Maria da Penha, que descreve muito bem constrangimentos, ridicularização e perseguição, entre outras ações causadoras de danos emocionais.

São homens e mulheres que chamam seus companheiros de incapazes, fracassados, burros, loucos, e não se cansam de relacionar na frente dos amigos e familiares todas as  'más' qualidades do seu parceiro. Um dos desafios é detectar essas agressões, pois nem sempre o agressor admite que o é. A reação deles, quando confrontados em juízo com as provas das suas agressões, geralmente é rir e dizer que aquilo tudo era brincadeira.

Não, o resto da sua vida não deverá ser assim ! Já que as tentativas para conversar fracassaram durante tantos anos, busque documentar esses fatos - com gravações, por exemplo - e procure ajuda especializada. Um bom advogado é um primeiro passo. Como percebe-se que você está muito fragilizada para essa iniciativa, recomendo que recorra antes à ajuda psicológica para se fortalecer emocionalmente, e também para investigar e tratar os sintomas da fibromialgia - que são a manifestação física das dores da sua alma. Abraço
Aglair Grein- Psicanalista


9 comentários:

  1. Força anonima,NÃO PODE BAIXAR guarda assim, você é mulher, guerreira, capaz de enfrentar isso, tome uma decisão concreta e siga em frente sem esse homem, ame a si mesma e seus filhos...pense que ainda é nova e pode reverter esse quadro, siga o conselho da Aglair Grein e denuncie esse cabra.

    ResponderExcluir
  2. Eu vejo asssim o casal tem q saber respeitar o espaço do outro.as brigas não levam a nada.

    ResponderExcluir
  3. isso chama-se impunidade,temos leis que não funciona é preciso morrer para talvez se fazer justiça.Como pode esse tipo de homem tratar a esposa dessa maneira.Por certo nasceu de um demônio e não de uma mulher.

    ResponderExcluir
  4. a algum tempo eu venho sofrendo esses tipos de agressões do pai do meu filho mais novo e meu filho mais velho de cinco anos muitas vezes assiste tudo isso e eu fico arrasada com a situação. mais so agora tomei uma atitude estou buscando ajuda e não vou mais tolerar as ameaças dele... não so por mim mais pelos meus filhos. acrescento também q e triste o nosso pais ter uma lei contra qualquer tipo de agressão e muitas vezes não oferecer um apoio para a pessoa agredida. falo porq eu ja recorri as autoridades mais ate agora nada foi feito e ele continua do mesmo jeito dai ate mesmo por insegurança do q pode acontecer comigo ou com um dos meus filhos eu acabo cedendo as chantagens dele. so q eu não vou desistir vou lutar ate o final para q ele tenha o q ele merece.

    ResponderExcluir
  5. Tenho 23 anos, sou casada desde os 19 e venho passando pela mesma situação, mas ao contrário de ANÔNIMO eu posso trabalhar e estudar só que as ofensas acontecem mesmo assim como se tudo o que eu faço seja dispensável e insuficiente.

    ResponderExcluir
  6. Hoje em dia a falta de respeito está muito presente nas relações. Não podemos deixar isso continuar. Mas para ser respeitado vc tem q respeitar tb. Força e amor próprio para enfrentar essa situação. Sempre confiante que as coisas vão dar certo. O que acontece depois é sempre melhor que a realidade atual! Força!!!

    ResponderExcluir
  7. A Dra. Já disse tudo!!! E vejo que este relato tem algum tempo. Mas mesmo assim, sra. procure ajude de terapeutas. A sra. encontra sem custo algum em faculdades de medicina. Nos núcleos que atendem pessoas que não estão em condições de pagar. Estou falando isto pois vejo em seu relato que a sra. não tem controle sobre o dinheiro. Depois que a sra. se fortalecer com o tratamento. Vá há uma faculdade de direito lá também tem atendimento ao publico. Tenho filhas que são da área e esta informação é precisa. Do mais espero que a sra , a esta altura tenha resolvido alguns dos problemas relatados. Lei Maria da Penha, conselho tutelar, são órgãos também que podem orientar a sra. sem que seu marido saiba. Estudar nunca é tarde, hoje em dia tem muitos cursos técnicos, força aí mulher, levanta a cabeça, levanta seu corpo , levanta sua alma . Esta é a sua vida, não a desperdice !!! A direção a Dra. deu eu dei alguns passinhos para a sra. caminhe, caminhe, caminhe...não seja mais uma prisioneira!!!

    ResponderExcluir
  8. Fui casada durante 15 anos tenho 3 filhos e estou separada há 2 meses, mas eu não era feliz, meu marido sempre desfazendo de mim, dizia que eu não cuidava de meus filhos, que eu não era Amélia , que eu não cuidava dele, ele e a mãe dele sempre me humilhando, a mãe dele chegou a mim chamar de cadela e dizer que minha casa era um nojo, sendo que sempre estudei ,trabalho e sou dona de casa, sou boa mãe, cuido de meus três filhos e ainda era uma boa esposa ele sempre tinha comida pronta e roupa lavada, mas mesmo assim sempre me ofendendo, seu ficasse doente ele já mudava de humor, me tratava como empregada, até hoje depois de separada ele ainda fala essas coisas.

    ResponderExcluir
  9. Sou engenheira, tenho um grau de escolaridade elevado e mesmo assim estou sofrendo com essa maldita violência velada,...apenas mencionei minha escolaridade para exemplificar que não existe, para este caso, grau de escolaridade, existe sim uma condição de dependência emocional que nos amarra a uma pessoa que, mesmo sabendo que não nos ama de forma saudável, ainda assim nos controla e nos deixamos controlar...Estou me fortalecendo com muitas leituras,depoimentos e esclarecimentos com profissionais e estou bem perto de faze-lo enxergar o mal que ele está me causando, pois tenho certeza que ele não tem total consciência disso. Do contrário com certeza a separação será a melhor saída.

    ResponderExcluir