segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Eu, Ele... e as mulheres dele





A.-Há 16 anos tenho um relacionamento. Quando o conheci ele era casado. Mesmo casado e antes de me conhecer teve um filho com outra mulher. Depois de estarmos juntos por 5 anos a mulher dele engravidou. Ele já estava de caso comigo, com a mãe do outro filho dele e ainda arranjou mais uma mulher. Esta terceira mulher fez um escândalo na porta da casa dele e ele se separou. Então ele se casou com esta terceira mulher, pois ela tinha metade da idade dele, 19 anos e engravidou. Estou com ele durante todo esse tempo. Vem mulheres, vão mulheres. Ele faz tudo para mim. Nos vemos todos os dias no horário do almoço. Saímos e viajamos muito. A atual mulher dele sabe de mim. Agora, 16 anos depois descobrimos eu e a mulher dele que ele tem um relacionamento com uma outra mulher há 4 anos.Aglair, amo esse homem, mas o que é isso? Sou feliz a seu lado, mas confesso que depois desta outra mulher estou muito chateada. Mas não consigo deixá-lo. De todas eu sou a que passeia mais, viaja mais, tem mais atenção dele.


Resposta:
Mulheres se envolverem com homens casados é algo tão antigo como o próprio casamento. 
Algumas mulheres, não se sabe por que, são fascinadas pelos romances difíceis, complicados, pelo desafio de provarem que a força do seu amor é suficiente para enfrentar o mundo, inclusive para quebrar as juras de um casamento, que dos seus pontos de vista (acreditando no que diz comumente o amado) está falido.

Infelizmente, considerando este perfil de homem, o mais provável é que se um dia aparecer uma outra mulher mais interessante e der mole, ele vai substituir a(s) amante(s), é claro, ou vai ficar com todas, como aconteceu no seu caso. E, quando todas carregam no sangue o gosto pela competição- além de esperarem muito pouco de um relacionamento- o círculo se fecha.

 Isso não quer dizer que você não possa ser feliz dividindo-o com outra(s), afinal quem pode saber o que é melhor para você é você mesma.  

Não acredito, porém,  que tenha me procurado somente para que eu a autorize.Se me consultou,  deve haver algum outro incômodo importante - que talvez nem você mesma tenha plena consciência - por trás desta felicidade. Talvez você comece a perceber que merece mais do que 1/3 de homem. Mais do que almoços diários, viagens esporádicas e muita adrenalina. Talvez comece a perceber que se contenta com muito pouco, mesmo sentindo-se a preferida... Nós aceitamos o amor que acreditamos merecer. É bom analisar isso, de preferência  numa terapia, que vai ajudá-la a descobrir por que você escolhe viver uma relação a três ou quatro pessoas, para descobrir por que tem evitado uma relação plena. Abraço
Aglair Grein- Psicanalista







3 comentários:

  1. Fico aqui comigo imaginando o tamanho do ego desse homem... Com tantas mulheres que se deixam levar pelo "passeio mais, viajo mais,sou a preferida" ao invés de considerar um relacionamento onde os dois evoluem juntos, um relacionamento de crescimento mútuo... mas não, isso fica simplesmente esquecido, em segundo plano. É uma pena.

    ResponderExcluir
  2. Oi Aglair, te pedi ajuda um outro dia: ttp://avidanoespelho.blogspot.com.br/2012/10/amores-impossiveis.html e me falastes que talvez eu procurasse o impossível... O meu pai é eEXATAMENTE o Sr aí de cima (um colecionador de mulheres que precisavam dele e elas sabem entre si, maior confusão). Pode ter isto a ver com meu "dedo podre"? Embora homens comprometidos(em qualquer nível) nunca me atraiam e eu seja super independente? Eu sinto como se ele(meu pai) nunca tivesse amado nenhuma de verdade. Talvez eu procure isso nos caras: a entrega. E quando ela acontece eu pulo fora? E enquanto não acontece mas há possibilidade eu continuo/fantasio... (não tenho nenhum $ para psicanálise agora)

    ResponderExcluir